Bitcoin Pode Iniciar uma Nova Era e Neutralizar Bancos Centrais

O ex-senador Judd Gregg fez uma publicação esta semana no The Hill opinando sobre o seguinte fato: “Pode um monte de computadores configurados por um grupo de pessoas inteligentes fazer um trabalho melhor [do que bancos centrais] de gerenciar os caprichos da oferta de dinheiro do mundo?”

A sabedoria convencional diz que não, Gregg escreveu, pois “desafiaria a lógica do tempo e da história” para o Bitcoin ou outras criptomoedas desafiarem as moedas nacionais – e os bancos centrais que as gerenciam – para dominar o mercado.

Tendo inclusive um economista, escrevendo pra a Business Insider, que se referiu à falta de um banco central para gerenciar a oferta de dinheiro como a “falha fatal” do Bitcoin.

No entanto, Gregg, que serviu como presidente e membro de classificação do Comitê de Orçamento do Senado, sugeriu que, neste caso, a “visão da velha escola” pode não estar correta.

“Se as pessoas aceitam que Bitcoin ou qualquer um de seus descendentes tem valor – e se essa aceitação se tornar a fé fundadora que sustenta o mercado – então uma nova era será anunciada”, ele escreveu. “As implicações da legitimação do Bitcoin como moeda são realmente surpreendentes”.

Os bancos centrais, disse ele, seriam “castrados”, pois não seriam capazes de administrar diretamente a inflação nas economias domésticas.

Os governos federais, entretanto, teriam muito mais dificuldade em vender suas dívidas, tornando-se menos prático para gerar grandes déficits.

O grande crescimento do bitcoin aconteceria primeiro em países com economias fracas onde suas moedas são desvalorizadas e com alta inflação, enquanto moedas fortes, como o dólar dos Estados Unidos, provavelmente “ficariam como um elemento central do comércio mundial”, pelo menos enquanto o governo opera de forma ”responsável”.

“Mas também é possível prever, não muito longe no horizonte, uma estrutura econômica mundial em que moedas como o dólar, o euro e o iene serão desafiadas por criptomoedas”, acrescenta Gregg, observando que isso levaria a uma fase “disruptiva” – potencialmente “traumática” – da história monetária.

Isso pode ser verdade, mas, como Gregg escreveu, as principais moedas do mundo quase certamente manterão sua predominância enquanto os bancos centrais e os governos nacionais se comportarem com pelo menos um mínimo de responsabilidade.

Quando eles deixarem de se comportar de forma responsável é quando o bitcoin terá a melhor chance de se concretizar. No entanto, se os governos federais e os bancos centrais deixarem a economia mundial em um estado tão pobre, a saída dos indivíduos será correr para alternativas como o bitcoin.

É por isso que o autor e estudioso Nassim Nicholas Taleb disse que, embora o Bitcoin possa ou não ser mais conveniente de usar do que outros sistemas de pagamento, é uma “apólice de seguro” contra a má gestão do governo.

A “mera existência do Bitcoin é uma apólice de seguro que lembrará aos governos que o último objeto que ele poderia controlar, a moeda, não é mais o seu monopólio”, concluiu Taleb em uma postagem no blog recente. “Isso nos dá, os indivíduos, uma apólice de seguro contra um futuro orwelliano”.

Via Portal do Bitcoin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *